segunda-feira, 15 de novembro de 2010

o futuro de Obama

Esses dias estive no Uruguai, mais precisamente em Montevideo, e pude notar o estado econômico em que se encontra aquele país. Já foi considerado a Suiça da América do Sul e hoje tem uma economia ainda em médio crescimento, pautada pela produção de lã e carne.
Isso me fez pensar na atual situação dos Estados Unidos no cenário econômico mundial, a decadência que o dólar enfrenta nesses últimos anos. Pós crise e os ianques não conseguiram ainda uma estabilização na sua economia, a ainda maior do mundo. O presidente Obama declarou há alguns dias que o que é bom para os EUA é bom para o mundo. Alguns presidentes não concordaram, como o nosso Lula, visto que os objetivos econômicos do Brasil e de outros países não coincidem .
Mas até quando e onde vai o poder dos EUA sobre todo o mundo? Estamos vendo a ruína de um império que se consolidou no século XX mas que não conseguiu conter o processo evolutivo do principal germe e força motriz de seu progresso econômico: o capitalismo. Excesso de crédito, falta de ajustes monetários e limites para os bancos foram o estopim pra crise de 2008/2009. No entanto o presidente Obama insiste em colocar dólares no mercado, provocando uma guerra cambial principalmente nos países em franco desenvolvimento.
O dólar não tem mais força como moeda mundial, o emprego é escasso para os americanos e o poder de compra também é pequeno. A China vem crescendo a taxas avassaladoras e o Japão não é mais a grande vedete asiática. O euro está com problemas de sustentabilidade por conta da crise ainda vigente na Europa e os BRIC's estão tentanto se postrar no cenário da economia como fontes alternativas de crescimento.
Obama teve a infelicidade de pegar um país em crise e com duas guerras pra gerir. Até onde o império ianque conseguirá se sustentar? Roma caiu por vários fatores, alguns semelhantes hoje. E nunca mais se reergueu. A não ser nos livros de História.

Nenhum comentário:

Postar um comentário