quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

2012

Outro dia fui ao cinema assistir 2012.Observei que se trata de mais um filme castástrofe onde se usam efeitos especiais e peripécias mil para deixar estagnada a face dos espectadores. Sobre a previsão maia, o siginificado, os fatores históricos, nada se comenta ou muito pouco. Um personagem ou outro tentando dizer algo investigado muito superficialmente sobre a história dessa civilização. Lembro-me de Apocalypto, onde me chamou atenção pela possível história que iria se passar dos Maias, mas pouco realmente fidedigno que se mostrou sobre esse povo.
No entanto nas últimas semanas vendo os telejornais falarem sobre a Conferência do Clima em Copenhagen fiz algumas análises sobre se realmente o planeta Terra terá um fim como previsto pelos Maias e como outras tantas vezes (ver Idade Média ano Mil). Nosso planeta já passou por várias modificações ao longo dos milênios. Lembremo-nos do próprio homem, pouco após ter começado sua caminhada no planeta e enfrentando o período glacial no tempo dos mamutes. Lembremo-nos também dos dinossauros que sofreram uma radical mudança no seu modo de vida e habitat desaparecendo para que este mesmo homem surgisse.
Ou seja, nosso planeta passa por transformações sim, isso é comprovado cientificamente. No entanto o que se discute é o quanto o homem influi nessa transformação. É óbvio que desde a Revolução Industrial no século XIX houve um aumento acentuado de indústrias jogando no ar partículas pesadas danosas ao meio ambiente. Contudo, além da especulação de quanto é o grau de responsabilidade do homem na poluição do planeta, principalmente acentuada no anos cinquenta, pós Segunda Guerra com os baby boomer, eu observo que há um fator mais grave na destruição do planeta, que não é somente perceptível no meio ambiente: a consequente perda do nosso patrimônio histórico.
Sim, o nosso patrimônio histórico está ameaçado por essa transformação brutal que sofrerá nosso planeta, pois sabemos que a História está baseada principalmente em documentação, seja de que suporte for, e que para preservá-la há orientações técnicas rígidas e observação constante da sua salvaguarda. Pois como havia comentado em outro post anteriormente, milhares de manuscritos já foram dizimados pelo tempo, pelas guerras, pela violência, pelo preconceito e pela não observação de cuidados especiais para sua conservação. As linhas Nazca por exemplo tendem a sumir. São preservadas porque são feitas de pedra em um ambiente quente e seco que nunca ou quase nunca chove. Mas com fatores climáticos cada vez mais severos como El Niño como poderíamos preservar esse Patrimônio da Humanidade? Com constantes alagamentos de cidades, os sítios arqueológicos se degradariam exterminando qualquer vestígio de nossos antepassados. A Cidade do México por exemplo que tem sua fundação em cima de um lago e que a cada ano afunda mais devido a poluição e a ao crescimento desordenado de casas e prédios, como se comportaria ante frios intensos e calor exacerbado?
Os casarões históricos na Europa se ruiriam com constantes terremotos que assolam Itália e Grécia. Veneza, com o crescente aumento do nível do mar sumiria do mapa, como algumas ilhas do Pacífico já estão desaparecendo. As pirâmides do Egito, tumbas de reis africanos, Stonehenge, sítios arqueológicos na América Central, tudo isso desapareceria, como vemos nas cenas do filme 2012. Contudo não seria a Terra a maior responsável pelo aniquilamento de vestígios de nossa História no planeta e sim o homem que além de contribuir para a aceleração dessa transformação não se preocupa em conservar para milhares de séculos ainda nossa especial patrimônio, nossa História, nossa vida aqui na Terra. Porque haverá sim transformação, é inevitável, mas há meios de salvaguardar nossos documentos mais preciosos, como de certa forma mostrou o filme em alguns momentos.
Após nosso planeta Terra mudar e começar tudo outra vez(não sei como começaremos, nem como seremos) de onde partiremos? Não teríamos uma base histórica sólida para pensar no futuro, não teríamos onde nos apoiar intelectualmente e documentalmente para prosseguir. Talvez seja realmente esse nosso futuro, começar a contar do ano zero novamente. E quem sabe com o constante desleixo do homem para com seu patrimônio, tudo isso realmente se resolva e mude daqui 3 anos. Esperemos até dezembro de 2012.

Um comentário:

  1. muito bom texto.Não penso muito diferente,pois já sofremos no passado muitas mudanças climáticas e catástrofes no nosso meio...
    esperemos até 2012 oque ocorrerá,tomara Deus que eu esteje vivo para saber oque vai acontecer,tenho meu conceito...mas guardo ele só para mim,para não correr o risco de ser chamado de louco.

    ResponderExcluir